quarta-feira, 18 de maio de 2016

quarta-feira, 18 de maio de 2016
existem dias que você quer simplesmente deixar de existir, nada de mortes, sabe? apenas parar de existir por umas horas ou até por uns dias, quem sabe por uns anos. hoje eu acordei com uma vontade imensurável de não acordar, no momento que abri meus olhos, eu lamentei, e o diz como não fazia há tempos. isso pode ser facilmente lido como drama, ih céus, eu sei disso, mas quando você têm seu coração quebrado novamente de um jeito completamente nonsense a única coisa que se passa na sua cabeça é: por que diabos eu existo? estava achando que eu poderia viver sem quebrar a cara com relações amorosas por um tempo, entretanto isso não está no nosso controle e vez ou outra aparece alguém na nossa vida para nos foder completamente a cabeça. acabaram de me foder a cabeça.
eu gostaria  de mandar a pessoa que fica encarregada de escrever o meu destino ir para a puta que pariu, que tipo de mente doentia você tem, cara?  sabe, é por isso que eu tenho tanta dificuldade em demonstrar o que eu sinto, porque quando demonstro as coisas saem do controle e me espatifo com tudo, tal coisa dói tanto por dentro que juro que posso até sentir meu corpo todo doendo, não é exagero. tô ouvindo umas músicas que eu nunca havia ouvido antes, o mais assustador é que elas estão fazendo a droga de todo o sentido. por deus, essas coisas deveriam ser proibidas, ninguém quer sofrer por amor, se sentir um merda e chorar até não aguentar mais! quem vai escolher uma coisa dessas? ninguém, meu caro, ninguém.
é nessas horas que eu escreveria uma carta para os melhores cientistas desse planeta implorando para inventarem logo uma máquina do tempo, quem sabe assim eu evitaria de conhecer a pessoa que me estraçalhou agora. eu poderia evitar de pensar tanto naqueles olhos, naquele sorriso, esqueceria o cheiro que eu gravei, quem grava cheiros? os tontos apaixonados. nunca quis sentir isso, nunca quis que ele roubasse o meu coração, nunca quis mostrar que sou fraca.
disorder © 2014