terça-feira, 16 de junho de 2015

plutão

terça-feira, 16 de junho de 2015
Eu sou uma incógnita indesvendável e problemática. Sou como uma palavra difícil e repleta de letras que quando vista é de se arregalar os olhos, temendo o problema que está em sua frente.
Estou tão perdida que já nem me acho, nem atrás do sofá ou nos classificados do jornal, não sei mais aonde deveria estar e tampouco como chegar a qualquer lugar, meus medos criaram vida e se transformaram em monstros, esses mesmos monstros me algemam. Quando me olho no espelho não sei mais quem vejo, não sinto como sentia. Esqueci-me dos versos do meu poema favorito, o qual tinha jurado que jamais esqueceria. Nunca mais peguei o meu caderno, nunca mais escrevi.
Vivo dançando valsa em cima do meu caos nada poético para que eu não esqueça quem eu fui um dia e não deixe o vazio tomar conta de tudo tão depressa. Não queria ser mais uma teoria, assim como não quero mais estar sempre sozinha e cheia de tanto nada. O abismo sentimental é um caminho tão farto e longo que já não tenho forças para seguir  com o meu pé e alma calejados. Minhas neuroses são absurdas.
Acostumei-me com a incerteza, mesmo que isso me torture e que me quebre cada vez. 

sábado, 25 de abril de 2015

redação sobre você

sábado, 25 de abril de 2015
A folha em branco espera para que eu comece a preenchê-la, mas tudo o que tenho para escrever é como aqueles olhos me deixaram em transe, não é isso que a folha espera, tenho que desenvolver assuntos como economia do país. Não é sobre isso que consigo escrever. Poderia falar sobre como sou completamente apaixonada até pelas coisas imperceptíveis, poderia fazer um artigo sobre suas cores e seus mistérios, mas não é isso.
Poderia descrever detalhadamente a textura da sua pele e como era incrível senti lá sobre a minha, grifaria todas as partes dos teus poemas favoritos e deixaria claro que: de qualquer voz citando os poemas de Drummond, a sua certamente era a melhor. Deveria lembrar que poderia passar horas imóveis apenas olhando para cada expressão e movimento teu, as tuas bochechas coradas eram mais lindas que qualquer outra coisa.
Imprimiria todas as tuas fotos em preto e branco, porque me faz lembrar um ator qualquer de algum filme dos anos 20. Não poderia me esquecer de que jamais me incomodaria com você ao meu lado fumando seu Marlboro, e que todas as vezes que escutar qualquer música dos Wipers, principalmente Follow Blind, meus pensamentos vão correr até você.
Deveria contar todas as tuas estórias malucas (e todas as piadas sem graça também) e os teus sonhos, tem todas àquelas vezes que você culpava o seu signo por ser tão fraco e sentimental, e sobre as minhas coisas favoritas em você, certamente, destacaria todas as vezes que você colocava seus cabelos castanhos para trás da orelha, sua cara de sério, e sua cara de bobo quando estava assistindo o seu filme preferido.
Então, poderia terminar dizendo que naquele momento em que você me olhou segurando uma guitarra, bebendo uma cerveja no bico, com os cabelos caídos no ombro e aquele all star velho e sujo, que era lindo, qualquer uma teria se apaixonado.

Mas não é nada sobre isso que eu tenho que escrever, entretanto é a única coisa na qual consigo pensar. 

quarta-feira, 22 de abril de 2015

mess

quarta-feira, 22 de abril de 2015
sempre me pergunto por qual razão que as palavras sempre tem que fazer sentido, nunca entendi por que tudo deve ficar certinho. nem sempre o que eu sinto é certo e faz sentido, e seria infiel transformar os sentimentos mais confusos em fragmentos certos.
seria como se alguém arrumasse teu quarto porque julga estar bagunçado e depois dessa arrumação toda você não conseguir mais encontrar nada, como se perder numa bagunça inversa.
é por isso que grande parte de tudo o que eu digo e/ou escrevo não faz sentido algum.
nem todas as bagunças devem ser arrumadas.

desajuste

eu canso cedo demais das coisas, das pessoas. perco interesse tão rápido pelo certo e vou me apegando cada vez mais no errado. dos lados, sempre escolhi a direção contrária, os bares cheios nunca me satisfaziam, toda aquela gente embriagada e sorridente faziam com que eu me sentisse deslocada. não gosto porque toda aquela alegria é fajuta, todos estão tentando matar as angustias com álcool. sempre me aconcheguei nos lugares estranhos e de gente estranha, todos visivelmente melancólicos. cada qual no seu canto tragando um minuto a menos de vida. essa velha melancolia rabugenta que se esconde em becos escuros sempre foi o tipo de coisa que nunca me deixou enjoada. sinto-me segura agarrada nos braços do incomum.

segunda-feira, 20 de abril de 2015

das coisas escondidas na gaveta

segunda-feira, 20 de abril de 2015
eu tentei, juro que tentei
dia após dia, mas está cada vez mais distante do final
luto para que isso se torne menos real
e já prometi a mim mesma tantas vezes que iria somente levantar e sorrir, só que parece tão difícil
vou me deixando cair no mesmo buraco e por lá permanecer
o buraco dos meus medos e incertezas, onde não podem ser ouvidos gritos e sentenças
o buraco da minha alma quebrada, o buraco que se mantém escuro e fundo
as escolhas parecem ser tão permanentes, assim como as dores
me sinto tão cansada disso
como um cão velho em seus últimos decretos

segunda-feira, 13 de abril de 2015

segunda-feira, 13 de abril de 2015
poder compreender o  ser humano se torna mais difícil conforme vão evoluindo em muitos aspectos, o que esquecem de evoluir é a parte mais bonita de um ser, vão calando aos poucos cada sentimento até que não possam mais serem ouvidos. vão deixando de lado empoeirando.
foram esquecendo tanto que até virou vergonhoso. são chamados de loucos os que fazem algo pelo sentimento, quiseram colocar ferro no lugar do coração, trataram como doença o que era pra ser tratado como o que é belo. todos parecem robôs programados para dizer "bom dia".
não erre, não ame, não chore, não sinta.
eu gostaria de poder descrever tudo o que eu sinto ou poder entender cada sentimento que habita as partes do meu pequeno e magro corpo.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

quinta-feira, 2 de abril de 2015
 não condene minha roupa ou o modo como ajo.
 não é culpa minha.
não me culpe por ter tido uma escolha, não me culpe por querer ser livre e cuidar do meu próprio nariz.
não me culpe por recusar a lhe servir.
não me culpe por ter beijado mais de um em uma só noite.
não me culpe por ter abortado.
não me culpe por ganhar mais que você.
não me chame de "sexo frágil".
não me agrida fisicamente ou verbalmente, caso recusar a ficar com você.
não me chame de puta, vadia, cachorra e feminazi, por lutar pelos meus direitos.
não me julgue por ter mais sapatos que livros.
não me julgue por ter cabelo comprido demais ou curto demais.
não me julgue por deixar meus pelos crescerem.
não me mande fazer coisas de "mulherzinhas".
isso porque eu sou dona do meu corpo, das minhas escolhas, e você, você não pode me condenar pelas minhas escolhas, apenas deve aprender a lidar que eu posso e eu vou.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

é loucura um coração como o teu ter amado um coração como o meu

quarta-feira, 1 de abril de 2015
mais uma vez eu recorro a um texto, prefiro ouvir o barulho da máquina enquanto digito do que meus pensamentos contantes.
é terrível perceber que tinha algo tão lindo e que deixei escapar por entre minhas mãos trêmulas. eu consigo entender perfeitamente o que deixei de fazer e preciso dizer: nunca me senti tão arrependida.
eu tento me manter forte quanto à isso, mas já decorei a maior parte dessas músicas tristes que se ouvem por aí, sei de cor as frases de filmes românticos.
já escrevi tanto sobre isso que nem sei mais onde encontrarei palavras para descrever tudo o que sinto e não gostaria de sentir, queria poder tirar das costas essa mochila pesada de sentimentos em relação a você.
quando abri meus olhos foi tarde demais.
gostaria de poder arrancar essas coisas da mente e acabar de uma vez por todas com esse sentimento.
não quero me sentir como um verme todas as vezes que percebo que jamais o terei.

sábado, 7 de março de 2015

sábado, 7 de março de 2015

Eu sou todos os cinco minutos de Be Quiet And Drive. Sou um desastre e não sei dançar. Tenho um jeito meio torto de amar e não levo jeito para abraços. Sou amante do silêncio. Adoro o jeito como a cidade fica a noite. Sempre acho que esqueci alguma coisa, na maioria das vezes estou certa disso. Sou magrela e tenho unhas grandes que só pinto de preto. Me fascino tão rápido por histórias bizarras, tal como serial killers e massacres. Acredito em tudo ao mesmo que não acredito em nada. Não gosto de falar. Choro sofregamente por tudo e sempre acho que a vida pode acabar em um minuto. Tenho olheiras que jamais saem, marcas das minhas noites em claro por pensar demais. Minhas mãos estão sempre geladas. Eu tropeço em tudo e nunca presto atenção em nada, talvez por passar tempo demais no mundo da lua. Gosto dos pôsteres grudados na parede do meu quarto, passo horas olhando para o pedacinho do céu da minha janela. Acho que o mundo é tão grande e eu tão pequena.

segunda-feira, 2 de março de 2015

Faz parte do teu show

segunda-feira, 2 de março de 2015

Te escrevo com letras pretas todo o meu sentimento, os quais já não cabem mais no amontoado do meu peito. Esse teu jeito de ser todo dado ao mundo, boêmio e poético que me faz querer-te perto, baby você é um enigma no qual adoraria desvendar, um desajustado no qual adoraria colocar na linha, na minha linha.
Fico contando com o acaso para que eu possa lhe encontrar em alguma esquina dessa cidade de loucos e poder ouvir a tua risada repetidas vezes. Quero fugir contigo para aonde quiseres ir, qualquer lugar junto de ti seria o melhor lugar que poderia existir, me entregarei toda para você. Mostra-me que a solidão não é tão bonita quanto eu pensava, canta Cazuza para mim porque isso tudo faz parte do teu show, meu amor.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Se você está.

domingo, 8 de fevereiro de 2015
Fazia tempo que não sentia algo tão arrebatador por alguém, fazia tempo que não sentia aquele maldito frio na barriga e todas aquelas coisas de quando se está apaixonado. Bem, essas coisas são complicadas e aqui estou eu escrevendo um texto de madrugada regada a insônia porque eu simplesmente não paro de pensar em você, minha maldita mente está cheia de você, como se fosse uma praga. Essas músicas românticas me fazem mal, porque me fazem pensar em como gostaria de ter você por perto e não posso, eu sou incapaz de ter você por perto e isso faz sentir-me terrível. Adoro os seus olhos verdes que me fazem entrar em pane cada vez que você me olha, seu cheiro é o melhor cheiro que eu possa sentir e tudo o que me lembra você é lindo. Queria tanto ter você por perto que até esqueço de qualquer outra coisa, tu consegue me tomar de um jeito que não lembro de ter sentido nada igual. Você me quebra por dentro como um espelho, estou cada vez mais frágil. Eu preciso falar de você, porque é simplesmente impossível não falar de algo quando está na nossa mente. Você colore meu mundo apenas por estar por perto, você me tem por inteira e isso não é nem de longe a pior coisa que faz comigo.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

minha saudade é tua.

domingo, 1 de fevereiro de 2015
 escrevo versos para você, mesmo sabendo que nunca os lerá. a saudade é escrita por letras negras durante a madrugada. as lembranças e ilusões que me atordoam tem o teu nome, minha saudade tem teu nome.


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Teus olhos me fazem falta

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015
Ben, desde quando você se foi as coisas estão mais chatas. O noticiário só diz coisas ruins e aquele senhor gentil das frutas não passa mais por aqui, não tive coragem de ver mais o nosso filme e sempre tento evitar de passar por aquele prédio grande e velho que você tanto adorava. Comprei incensos, apesar de saber que você os odiava, mas você não vai voltar para reclamar deles, não é mesmo? É estranho ir ao cinema e não sentir suas mãos por cima das minhas e nem olhar nos teus olhos castanho claros risonhos. Ben, desde do dia em que você se foi eu acho que as coisas ficaram mais chatas, sinto falta daquelas suas estórias malucas e dos seus livros sobre bruxaria. Você era um louco. Não consigo ver o pôr do sol sem lembrar da sua expressão de deslumbre. Certo dia estava lembrando quando você colocou uma daquelas suas músicas bregas e me puxou pra dançar -mesmo sabendo que sou desastrada- você era um romântico não assumido, mas eu detestava tanto quando você começava a falar como a politica atual estava terrível. Seu cheiro ainda está em algumas coisas, nas quais não tive a coragem de tocar, você sabe que sou tão fraca para essas coisas e custo me desapegar, tanto que ainda não me desapeguei de você. Ben, você me faz tanta falta.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Algo me rasga por dentro.
Algo que me rasga por dentro me deixa incapaz.
Algo que me rasga tão fundo que fico sem forças.
Tenho a sensação de estar sozinha por onde quer que eu vá, tenho a sensação de que nunca irei me encaixar em nenhum canto desse mundo.
Algo está me rasgando mais fundo.
Sinto que nada poderá me salvar se nem sequer eu mesma consigo.
Afasto as pessoas por medo de machucá-las.
Algo me rasga ainda mais.

disorder © 2014