domingo, 18 de setembro de 2016

domingo, 18 de setembro de 2016

saudade.
a gente não sabe o peso dessa palavra até sentir na pele, e sobre a experiência que eu tenho com ela, posso dizer que: dói, me arrisco a dizer que dói mais que qualquer outra coisa.
segundo uma das definições mais comuns saudade é:

1.
sentimento melancólico devido ao afastamento de uma pessoa, uma coisa ou um lugar, ou à ausência de experiências prazerosas já vividas.

você é a minha coisa, a minha pessoa e o meu lugar, eu carrego no peito esse sentimento melancólico em relação à você. quando eu lembro de você e realizo que estou a milhas de distância dos teus braços é como se eu estivesse me afogando. procuro encontrar você nos teus interesses, nos teus filmes preferidos, nas tuas músicas, em outros lábios, em outros olhos. só que não tem você lá, não tem o teu beijo, o teu corpo, a tua voz, não tem e é por isso que eu não consigo me focar nessas outras almas, nessas outras coisas, sendo que a minha alma suplica desesperadamente pelo amparo da sua.
cê nem deve mais pensar em mim, ou nas nossas conversas, ou no nosso primeiro beijo, eu sei que cê não pensa, e isso dói pra caralho. olha, eu tenho tanta saudade de passar um tempo te ouvindo, gostaria de poder ouvir mais uma vez da tua boca que "os deuses do rock colocaram um no caminho do outro", eu queria poder voltar naquele dia e ir passar um tempo com você na pista de skate perto da minha casa, queria voltar no tempo e te deixar na minha vida até que os deuses do rock não quisessem mais. só que eu não posso.
queria te dizer que tô lutando com a saudade, porém o que eu queria era ganhar coragem e te dizer das músicas que eu ouvi enquanto pensava em você, que Red Hot Chilli Peppers não é mais o mesmo depois de ti, que EU não sou mais a mesma depois de ti e que, porra, que saudade doída eu sinto de você, guri. será que cê nunca percebeu que eu sempre fui louca por você? eu sou e isso tá me matando tanto. só queria poder/ter coragem de te dizer todas as coisas loucas que passaram na minha cabeça e que eu deveria ter te dito uma por uma, preciso te dizer que por muito, muito tempo eu não consegui ter olhos para outra pessoa, senão você e que essa tua mente é mais difícil de entender do que exercícios de matemática, e eu sou péssima em matemática. mas eu não queria ser péssima quando o assunto é você.
às vezes eu acho que não sei viver com a tua ausência, sempre que acho que o meu coração não te sente mais, ele dá uma recaída e eu me desmonto.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

tóxico

terça-feira, 13 de setembro de 2016

como em uma promessa interna, eu fiquei. até mesmo quando não era mais preciso, eu continuei ali, intacta, esperando qualquer coisa de você. eu não o tive.
isso não é um texto sobre cobranças, é um texto sobre esperar quando não se deve.
sei que nem de longe sou a melhor pessoa que você conheceu, e tu merece as melhores coisas. deus sabe como eu gostaria de ser o seu melhor, talvez você possa ser o amor da minha vida, mas eu não sou o da sua. o quão triste é essa situação na qual eu me coloquei?
você me tem de um jeito inegavelmente único, e isso aconteceu naquele exato momento em que suas órbitas se encontraram com as minhas e seus lindos olhos castanhos atravessaram o mais profundo do meu ser, foi naquele momento em que o mundo parou. eu não sei como eu pude deixar isso acontecer, porém quando o seu corpo se uniu ao meu as coisas não eram mais as mesmas e uma nova parte de mim ganhou vida.
não sei o porquê de ter sido você, justamente você.
preciso aprender a me desfazer de tudo o que eu sinto pela sua pessoa, deixar de passar noites em claro pensando em você ou nas merdas que te disse, ou naquela vez em que te vi de longe e o meu coração bateu tão rápido que pude jurar que iria explodir. eu me senti desmoronar. tudo o que eu queria era ir embora com cada gota de chuva, me desfazer em lágrimas e ir, apenas ir.
você não é como uma coisa boa que apareceu para fazer do meu mundo um lugar mais bonito, você é como um acidente tóxico, tal como em Chernobyl.
sabe o que é pior? eu ainda estou aqui por você, caso precise, assim, só de precaução, mesmo sabendo que eu estou fora de cogitação das pessoas que você procuraria. nem sei porquê eu me importo tanto, essa mania me faz achar que sou idiota. na verdade, ter certeza.
acho que o que me prende à isso ainda é essa coisa sem explicação que eu sinto por você, talvez quando eu achar a explicação para isso eu deixe ir embora, como todas aquelas folhas secas e então serei livre. espero ansiosamente por isso.
mesmo você sendo como aquela música instrumental incrível que eu ouvi aquele dia e deixei no replay, preciso do silêncio.

disorder © 2014