segunda-feira, 22 de maio de 2017

segunda-feira, 22 de maio de 2017

estou deixando você, dessa vez é para sempre.
agora deixei pra lá a música, os teus trejeitos, as tuas mãos pegando no meu cabelo, o teu calor e o sabor. eu te deixei ir embora de mim.
dei adeus as lembranças,  as fotos, as conversas.
percebi que a vida vai continuar sendo vida sem você, isso significa que sou aparte da tua presença. percebi que os filmes de romance doem mais agora que eu não te tenho, porém irei sobreviver.
a dor é para me mostrar que foi real tudo o que vivemos, mas que eu ainda existo depois disso - e que resisto -, a dor do que foi me dá mais forças para ser.
a tua voz soava doce aos meus ouvidos, o teu perfume era maravilhoso e os teus olhos eram como faróis indicando o caminho dos barcos, todavia existirão outras vozes, perfumes melhores e olhos que me levarão pelo caminho certo dessa vez.
isso foi o fim de nós dois, mas será o começo de tantas histórias incríveis. será o meu recomeço. de você eu levo o que foi bom, o que foi ruim transformo em aprendizado.
depois de você eu não tô destruída, como todos pensam, ao contrário, eu tô completa porque eu me encontrei. parei de chorar no banheiro do trabalho, parei de fazer o que me lembrava você.
o melhor de tudo é quando a gente consegue crescer com a dor, redireciona toda a atenção da causa para onde dói e encontra a cura, é isso o q eu farei.
a você o meu muito obrigada, eu cresci, agora já não dói tanto. adeus.

"Não faz sentido querer abrigo agora se você não quer ficar."

você me disse que eu te pertencia, minha alma sorriu, mas o coração desconfiou.
não dá pra ser completa enquanto você levou uma parte de mim e continua levando sempre que volta, cê me tira da órbita e eu já não sei mais o que fazer.
tempos atrás você não fazia parte dos meus pensamentos, porém apareceu dizendo que me ama e me pertence, me transformei em líquido. de novo o ponto fraco foi atingido e a casquinha foi tirada bruscamente. eu já tinha vidas arquitetada, rumos certos, entretanto a sua presença veio igual furação e me bagunçou inteira.
você estendeu a tua mão eu fui porque não sei te recusar, me levou para eu ver as luzes da cidade pequenininhas naquele lugar tão nosso. cê me despiu o corpo e a alma, me entreguei de novo esquecendo todas as consequências. me esqueci que você é furação e que tá tudo bagunçado aqui dentro. a tua voz dizendo que ama fica rodando minha cabeça sem parar  sequer um minuto.
tenho medo de você quebrar as paredes que construí durante esse tempo todo, cê deixa os meus batimentos  descompassados e os pensamentos atordoados.

disorder © 2014