quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

eu passo horas pensando em você. confesso que no começo eu até me esforçava para que isso acontecesse, e com o passar dos dias você aparecia sem minha permissão e agora isso me mata.
eu gostaria de ter todo o controle da situação e parar de pensar em você apenas num estalar de dedos. deus, como eu queria que as coisas fossem assim. detesto carregar esse peso e me culpar por ter sentido algo por você depois que você já tinha desistido, depois que já tinha ido embora. isso é tão doloroso quanto poderia me lembrar... de tantas coisas que existem pare serem lembradas, essa é a última.
eu só penso em me desculpar por ter sido tão idiota, por não ter percebido a tempo de dizer que o que você sentia por mim era recíproco, como eu me odeio por isso.
sabe, não vejo motivos para te procurar depois de tanto tempo e dizer "ei, eu gosto de você. na verdade, sempre gostei, mas é que não percebi em tempo de te dizer". eu sei que você vai rir de mim e me dar às costas, eu sei disso, e não te culpo, muito pelo contrário.
é claro que você não se importa se eu sofri todo esse tempo por você, porque você também sofreu e eu pareci não dar a mínima para isso. quanta idiotice.
acho que eu não te falei por medo de me machucar de novo, e então, tentei evitar mais um desastre. ora, vejamos, eu causei um maior ainda. droga de medo, droga!
de tantas lágrimas que rolaram pelo meu rosto por sua causa, não tenho coragem de te contar de nenhuma. céus, me desculpe.
eu não queria te fazer sofrer, eu não queria que você fosse embora. talvez se você tivesse ficado um pouco mais... talvez eu teria tomado coragem para te dizer sobre todas as coisas que eu sinto, entretanto agora é tarde demais para isso. o tempo que eu tinha já se foi e nem tudo o que eu diga nesse mundo vai te fazer voltar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

disorder © 2014