terça-feira, 4 de setembro de 2012

She lost control

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Nada descreve, é tão absurdo que nada descreve. Mesmo que eu te pedisse você não voltaria , mesmo se eu lhe fizesse de tudo você não ficaria, é tudo tão recluso a mim.A neblina te esconde de mim, não adianta esperá-lo para o jantar, pois ele não virá. Não me permito vindas por medo de partidas, não me permito felicidade por medo de mais decepções. Já não sei o caminho que devo seguir ou em quem posso contar, estou perdida em um lugar vazio isolada do resto do mundo, não existe mais cor e nem alegria, nada tem mais sentido sob o que está perdido, seus olhos não demostram mais sentimentos, nenhum, de qualquer espécie. Perdi as esperanças, décadas atrás eu sabia o que era ser feliz, sentimentos mórbidos, tais sentimentos que me matam pouco a pouco e em questão de segundos estou desesperada, chorando sozinha num canto escuro e sombrio da casa, tudo o que já foi nunca mais será, mas tudo o que é, me fere.
Nada mais faz sentido aos meus olhos, tudo não passa de uma farsa, noites em claro acompanhadas de recordações, olhos cheios de lágrimas, um coração dentro do meu peito que sangra por você, dou-lhe minhas forças, me entrego até não sobrar ao menos restos de mim. Beijos perdidos, amores rasgados, lágrimas mortas, é o que se resume o que restou de uma vida já perdida há muito tempo. Eu perdi o controle.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

disorder © 2014